Loader
O mês é das mulheres, e o mercado? - Global Packing
1274
post-template-default,single,single-post,postid-1274,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-18.1,qode-theme-bridge,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.2,vc_responsive
 

O mês é das mulheres, e o mercado?

Internacionalmente, homenageamos o mês de março às mulheres. Dessa vez, nós da Global Packing Moving & Relocation decidimos fazer um pouco mais. Além de prestar homenagens e a nossa atenção às mulheres, nesse mês procuramos apontar para questões importantes para a causa feminina, dentre elas: o lugar da mulher no mercado de trabalho.

Afinal, não é de hoje que a mulher faz parte do mundo do trabalho e sua participação não é baixa. Segundo a pesquisa do IBGE de 2018, as mulheres compunham 43,8% dos atuais trabalhadores brasileiros. No entanto, as mulheres ganham em média 20,5% menos que os homens no Brasil e em absolutamente todas as áreas do país sua remuneração é inferior à masculina equivalente.

A desigualdade salarial entre gêneros é um problema mundial e no Brasil a questão se agrava à medida que a escolaridade a formação acadêmica aumenta e também conforme a posição hierárquica no local de trabalho. Assim, uma mulher com MBA ou uma especialização é remunerada 35 a 42% menos que um homem de mesma formação. Além disso, na posição de presidente, diretora ou gerente, as mulheres recebem em média 38,41% menos que um homem na mesma posição.

Como sempre, a questão feminina brasileira é também atravessada pelo recorte racial. Em 2018, o rendimento anual de brancos foi 73,9% superior ao de pretos e pardos no Brasil. Nesse cenário, a mulher negra recebe em média 44,4% da renda mensal do homem branco médio, ou seja, menos da metade desse salário médio. E, em relação às mulheres brancas, as mulheres negras ganham 41,4%, colocando-as na base da pirâmide salarial brasileira, representando a desigualdade salarial mais aguda do país.

Mas, o que fazer diante desse cenário? A Islândia, por exemplo, foi pioneira em implementar uma lei de igualdade salarial entre os gêneros. Essa é uma medida excelente para combater esse problema estruturalmente! No entanto, ao que nos cabe individual e institucionalmente, nós da Global Packing temos orgulho de não apenas contarmos com uma diretora mulher, uma representante dos 25,85% de diretoras mulheres no Brasil, mas também contamos com uma equipe de escritório mais que competente e majoritariamente feminina! Em nosso escritório o salário é equânime e nos atemos sempre às discussões da sociedade a fim de tornar a experiência de trabalhar na Global o mais enriquecedora, confortável, harmoniosa e produtiva possível!

Há um longo caminho a ser traçado para a igualdade salarial entre gêneros no Brasil e no mundo, mas nós da Global Packing tentamos fazer nossa parte como empresa para nossas colaboradoras a fim de alcançar uma sociedade mais justa!

 

No Comments

Comente